Em 2001/2002/2003: “ÍNDIOS NA VISÃO DOS ÍNDIOS”. Patrocínio: Bompreço do Nordeste S/A e Programa Fazcultura-BA. Apoio Institucional: UNESCO. O programa de ARTE, CULTURA e IDENTIDADE consegui até 2003 lançar coleção com sete livros, 21.000 exemplares, através da realização de oficinas de Identidade e Expressão Criativa, com fotografia e jornalismo, qualificando 80 Agentes Culturais Indígenas, sendo esses historiadores, fotógrafos e artistas, retratando suas Nações: Kariri-Xocó/AL, Pankararú/PE, Fulni-ô/PE, Tumbalalá/BA, Kiriri/BA, Tupinambá/BA e Truká/PE. Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade 2004, pelas ações de preservação do patrimônio cultural brasileiro, promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN – do Ministério da Cultura (MinC).

Acima estão linkados os primeiros sete livros que demostram o domínio que a Thydêwá tem para abordar temas como a CULTURA, a MEMORIA e o PROTAGONISMO INDIGENA, todos os livros foram fruto das boas relações entre as diferentes gerações, especialmente entre os idosos e os adolescentes e jovens. Mediados pelas tecnologias, foi que os indígenas de diferentes idades afirmaram e fortaleceram suas identidades, memorias, culturas e direitos. A tecnologia social veio se completar com as atividades que, os próprios indígenas munidos de seus livros, realizaram em suas aldeias e em espaços de diálogo com os não indígenas.

Em 2002/2003/2004: “ÍNDIOS NAS SALAS” com o projeto “A Escola Entra em Cena” da Secretaria da Educação e Cultura de Salvador (SMEC) que possibilitou que vários índios visitem escolas públicas para dialogar com 5.000 alunos e partilhar suas culturas, levado com eles seus livros.

Finalmente, os indígenas usam maquinas de fotos e gravadores estavam produzindo conteúdos e partilhando os mesmos entre eles e com o mundo

Em 2003/2004/2005: “CANTANDO AS CULTURAS INDÍGENAS”. Patrocínio: BNDES, através do Programa de Apoio a Crianças e Jovens em Situação de Risco Social – Transformando com Arte. 3.500 crianças das comunidades: Pataxó HâHãHãe, Xucuru-Kariri, Kariri-Xocó, Pankararú, Tumbalalá, Tupinambá e Truká através dos cantos e danças sagrados, revisitam suas histórias e redescobrem um novo Brasil, falando de Cidadania, de Direitos Humanos, de Ecologia e de Diversidade Cultural, fortalecendo suas identidades e suas culturas.

Em 2004 o “arsenal” de ferramentas estaria completo com a instalação de conexões de internet no coração de algumas comunidades indígenas.

Em 2004: “INDIOS ON-LINE”. Patrocínio: Bompreço do Nordeste S/A e Programa Fazcultura-BA. Portal de diálogo intercultural. Qualificação direta de 14 índios em TICs, 28 índios multiplicados. Prêmio Telemar de Inclusão Digital 2004, 3º Lugar na categoria ONG das regiões Norte/Nordeste. Programa piloto de seis meses de inclusão digital entre sete aldeias indígenas e em dialogo intercultural com o mundo. Participaram as Nações: Kariri-Xocó/AL, Xucuru-Kariri/AL, Pankararú/PE, Tumbalalá/BA, Kiriri/BA, Tupinambá/BA e Pataxó-Hãhãhãe/BA. As comunidades percebem entre os resultados mais destacados do projeto o fortalecimento de suas culturas e a promoção da cultura da paz.

Em 2005/2006: “INDIOS ON-LINE”. Patrocínio: Ministério da Cultura. Apoio: Ministério das Comunicações e Ministério de Trabalho. Programa de Cultura, Educação e Cidadania através das TICs para sete aldeias indígenas: Kariri-Xocó/AL, Xucuru-Kariri/AL, Pankararú/PE, Tumbalalá/BA, Kiriri/BA, Tupinambá/BA e Pataxó-Hãhãhãe/BA.

Em 2007: “ÍNDIOS NA VISÃO DOS ÍNDIOS: PATAXÓ HÃHÃHÃE”. Patrocínio: Ministério da Educação e Banco do Nordeste do Brasil. Impressão de 2.000 exemplares e ações para mais de 20.000 pessoas.

Em 2006/2007: “ARCO DIGITAL”. Parceria: Instituto Oi Futuro. Comunidade Colaborativa de Aprendizagem para mais de 100 índios on-line. Diálogos em Cultura, Cidadania, Educação, Desenvolvimento Sustentável e TICs. www.indiosonline.org.br/blogs. Edição de 3.000 livros: CIBERCULTURAS INDÍGENAS. Produto, um livro sobre a atualidade cultural indígena.

Em 2007: “ÍNDIOS NA VISÃO DOS ÍNDIOS: PATAXÓ DO PRADO”. Patrocínio: Ministério da Educação. Impressão de 1.000 exemplares e ações educativas para 5.000 alunos.

Em 2007: Prêmio Direitos Humanos na categoria Promoção da Igualdade Racial, outorgado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH), em decorrência doas ações educativas que os indígenas fazem com seus livros.

Finalistas do Prêmio ODM – Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, do PNUD.

Em 2008: “KARIRI-XOCÓ CANTA TORÉ”. Patrocínio: Banco do Nordeste do Brasil. Apoio: Ministério da Cultura e Secretaria do Estado da Cultura do Governo de Alagoas. CD de música e documentário em DVD do ritual de cantos tradicionais Kariri-Xocó, com edição de 1.000 unidades e eventos públicos para mais de 15.000 pessoas dialogarem interculturalmente com os indígenas.

Em 2008: “ÍNDIOS NA VISÃO DOS ÍNDIOS: NÓS TUPINAMBÁ”. Patrocínio: Banco do Nordeste do Brasil. Apoio: Ministério da Cultura e Secretaria de Cultura da Prefeitura de Camaçari – BA. Impressão de 1000 livros e eventos públicos em Salvador, Camaçari, Itabuna, Ilhéus, Una e Buerarema para mais de 20.000 pessoas dialogarem interculturalmente com os Tupinambá.

Em 2008: “ÍNDIOS NA VISÃO DOS ÍNDIOS DO NORDESTE”. Patrocínio: MDH e Conselho da Região de Limouge (França).  Livro traduzido para o francês que reúne trechos das cinco publicações anteriores, sendo lançado com três indígenas durante uma turnê de 40 dias por toda a França.

Prêmio Internacional CAB “SOMOS PATRIMÔNIO” do Convênio Andrés Bello pela ação ÍNDIOS NA VISÃO DOS ÍNDIOS ON-LINE.

Semifinalistas do Prêmio Internacional Experiências de Inovação Social 2008 da Fundação W.K.Kellogg e CEPAL.

Prêmio Ludicidade do Ministério da Cultura pelo trabalho com a juventude.

Prêmio Mídia Livre 2009 (MinC) pela rede INDIOS ON-LINE.

Prêmio Interações Estéticas – Residências Artísticas em Pontos de Cultura junto ao artista Sandro Egues por intermédio da FUNARTE.

Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade (IPHAN – MinC) para a REDE ÍNDIOS OS LINE pela divulgação do patrimônio brasileiro.

Prêmio Arede, outorgado pela editora Momento editorial pelos trabalhos promovidos pela Thydêwá.

Prêmio Parcerias, outorgado pela Aliança Interage pela forma colaborativa e aberta dos trabalhos desenvolvidos pela Thydêwá.

2009 a 2013: “ESPERANÇA DA TERRA”. Parceria: Ministério da Cultura. Pontão de Cultura Viva com foco na promoção da cultura da paz e a consciência planetária. Realiza Encontros de Diálogos Interculturais e Cruzamentos de Saberes. No link à ESPERANÇA DA TERRA pode se baixar o livro que conta a história do Pontão que primeiro foi Ponto e depois foi rede.

Prêmio Mídia Livre 2010 (MinC) pela coleção de livros ÍNDIOS NA VISAO DOS ÍNDIOS.

Em 2011: “KARIRI-XOCÓ CANTA ROJÃO”, “TOANTES PANKARARU” e “ÍNDIOS NA VISÃO DOS ÍNDIOS: POTIGUARA”. Patrocínio: Banco do Nordeste do Brasil. Apoio: Ministério da Cultura, Secretaria de Estado da Cultura do Governo de Alagoas e FUNAI.

ÍNDIOS NA VISÃO DOS ÍNDIOS: SOMOS PATRIMÔNIO”. Financiamento do: IPAC – Instituto de Patrimônio Artístico e Cultural do Governo do Estado da Bahia. Livro coletivo com 40 autores de 10 etnias.

Campanha “SOMOS DIVERSIDADE”. Ações Educativas para 20.000 pessoas através do diálogo intercultural entre indígenas e sociedade brasileira. Lançamento do DVD “SOMOS PATRIMÔNIO”.

HISTÓRIA E CULTURAS INDÍGENAS”. Patrocínio: Embaixada dos Estados Unidos da América via acordo bilateral com Brasil através do Programa de Combate à Descriminação Étnico-Racial – “JAPER”. Grupo de estudo com 06 indígenas bolsistas que mantém um portal de interação sobre a história e as culturas indígenas cumprindo diretrizes da lei 11.645/2008.

Em 2011: nasce a “RISADA – Rede Indígena de Arte e de Artesanato”, uma rede que tece relações entre mais de 20 indígenas e através do comercio justo e solidário, tece com o mundo.

Em 2012: “OCA DIGITAL”. Patrocínio: Fundação Telefônica e Fundo de Cultura da Bahia. Laboratório de Experimentação em Arte, Culturas e Tecnologia para indígenas.

Na OCA DIGITAL muitos indígenas jovens aprimoraram seus domínios sobre as técnicas digitais de composição, expressando seus talentos artísticos em multi-formatos.

Programa Pontos de Memória “ÍNDIOS NA VISÃO DOS ÍNDIOS: MEMÓRIA”. Patrocínio: Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM. Produção e lançamento do livro coletivo e multiétnico.

Prêmio Interações estéticas “Cartografia afetiva nas nuvens das raízes profundas”. Parceria: Bruno Tarin, FUNARTE

Prêmio Ponto de Memória do IBRAM – MinC que produz coletiva e multiétnicamente o livro: “MEMÓRIA DA MÃE TERRA”, contando com 27 indígenas autores de 17 etnias do Brasil.

Prêmio Memórias Brasileiras do IBRAM – MinC que produz coletiva e multietnicamente o livro: “MEMÓRIA DO MOVIMENTO INDÍGENA DO NORDESTE”, que contou com 16 autores indígenas, de 06 estados do Nordeste.

MENSAGENS DA TERRA”; rede comunidade de aprendizagem colaborativa e ação com a participação de 08 PONTOS DE CULTURA INDÍGENA (AL, SE, PE e BA) junto ao MinC. É um programa de três anos que finaliza em agosto de 2018.

INDIGENOUS EBOOKS”, programa de fortalecimento dos talentos expressivos dos indígenas (AL, SE, PE e BA) que culmina na elaboração de 02 livros digitais, coleção KWATIARA, com o financiamento do IFCD da UNESCO. A Organização dos Estados Ibero Americanos – OEI – convenia a traves do Prêmio Ibercultura viva a Thydêwá para fazer KWATIARA ABYA YALA, dois novos e-books na coleção, desta vez de indígenas da Argentina.

“PELAS MULHERES INDÍGENAS” formação para 16 mulheres indígenas, lideranças e multiplicadoras em 08 etnias do Nordeste via Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres da Presidência da República – SPM/PR e com a produção coletiva de um livro feito pelas próprias mulheres e um sitio web também, com o apoio da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres do Estado da Bahia – SPM/BA.

PREMIO DIREITOS HUMANOS pela promoção a autonomia das mulheres, outorgado pela Secretaria de Direitos Humanos de Presidência da República.

Prêmio REDES – MinC também para a rede PELAS MULHERES INDIGENAS.

“ADOLESCENTES INDÍGENAS: EXPRESSÃO CIDADÔ cria uma rede de adolescentes que se apropriam das TICS e de seus direitos para protagonizar transformações sociais dentro de suas comunidades. Apoio SDH, Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos.

Prêmio Tecnologia Social 2014, categoria Nordeste. FINEP. O reconhecimento é em decorrência da sistematização de INDIOS NA VISAO DOS INDIOS enquanto produção de conteúdos e diálogos promotores de bem-estar partindo desses conteúdos.

Prêmio BOAS PRÁTICAS DE SALVAGUARDA DO PATRIMONIO IMATERIAL, do IPHAN-MinC. É um reconhecimento também a tecnologia social INDIOS NA VISAO DOS INDIOS e sua tecnologia irmã INDIOS ON-LINE, ambas tecnologias vêm prestando um serviço relevante para a salvaguarda dos patrimônios das culturas indígenas.

“EMPREENDEDORISMO SOCIAL”, Thydêwá junto a Aliança Empreendedora está realizando formações em 05 comunidades indígenas do Nordeste.

“OUTRAS PARADAS”, junto a Brazilfoundation Thydêwá apoia 06 microprojetos em seis comunidades indígenas.

“RADIA CUNHÔ, mulheres indígenas fazem radio web contando com o apoio da FRIDA, do FIRST PEOPLES e da SECULT-BA.